quarta-feira, 15 de novembro de 2017

9.ª Conferência: Novas vivências na cidade? A boémia em Lisboa (1880-1929) por Cecília Vaz

Estão todos convidados para a próxima conferência que estará a cargo da investigadora Cecília Vaz (CIES/ISCTE-IUL) e intitula-se "Novas vivências na cidade? A boémia em Lisboa (1880-1929)". Deixamos aqui, como é habitual, um resumo dado pela conferencista e também o link para um artigo de temática semelhante à conferência. 

Terá lugar na sede da UACS, à Rua Castilho, no próximo dia 22 de Novembro, às 18h.
 
 

Resumo:

Por volta de 1880, o termo «boémia» tinha já assegurado na língua portuguesa um novo significado que se começara a popularizar a partir de Paris em finais da primeira metade do século: designava-se assim um estilo de vida particular e identificável, especialmente aplicado a artistas, escritores, jornalistas e aqueles que com que eles conviviam. A boémia surge então como um fenómeno social e cultural reconhecido, produtor de possíveis identidades que conscientemente participam num imaginário urbano e internacional, alicerçado tanto em práticas de sociabilidade específicas, como nas representações produzidas na literatura e nas artes.
Nesta apresentação procurarei esboçar um quadro do processo de introdução e construção da boémia em Portugal, tomando Lisboa como espaço privilegiado para abordar o tema nas suas diversas dimensões e entendimentos, refletindo sobre as suas dinâmicas ao longo do tempo, salientando alterações e permanências nas práticas desenvolvidas, por vezes há muito existentes, mas que encontram agora inserção num novo quadro de significado e dimensão internacional.

terça-feira, 31 de outubro de 2017

8.ª Conferência: sons, espaços e vida quotidiana em Lisboa no final da Monarquia Constitucional

Deixamos aqui o testemunho fotográfico da última conferência, que esteve a cargo do investigador João Silva (INET-MD). Remetemos também novamente para um exemplo do trabalho que o investigador tem realizado na temática. A próxima conferência será no próximo dia 22 de Novembro, na sede da UACS.















quinta-feira, 19 de outubro de 2017

8.ª Conferência: "O presságio d'alva como que tornou a cidade mais sonora": sons, espaços e vida quotidiana em Lisboa no final da Monarquia Constitucional.

s/a, 1891, Rossio 
(Arquivo fotográfico CML)

A próxima conferência estará a cargo do investigador de musicologia João Silva e intitula-se "O presságio d'alva como que tornou a cidade mais sonora": sons, espaços e vida quotidiana em Lisboa no final da Monarquia Constitucional. Deixamos aqui também, como habitual, a referência para um artigo com temática semelhante à da conferência e um resumo. Será no próximo dia 30 de Outubro, pelas 18h, na sede da UACS (rua Castilho, 14, Lisboa).

Joshua Benoliel, 1907
(Arquivo fotográfico CML)

Resumo: Lisboa é uma cidade de muitos sons. É impossível percorrê-la sem sermos bombardeados por um conjunto heterogéneo de sons vindos de múltiplas direcções. Esta conferência aborda o papel do som na vida quotidiana dos lisboetas no final da Monarquia Constitucional. Nesse período, uma nova visão de planeamento urbano, associada a um processo transnacional de modernização das cidades, transformou profundamente o som da cidade. A substituição do Passeio Público pela Avenida da Liberdade, com os novos sons de eléctricos, comboios e automóveis é disso um bom exemplo. Nesse processo, vários espaços de entretenimento, como teatros e circos, foram demolidos, dando lugar a novos edifícios no boulevard. Os coretos tornaram-se parte do mobiliário urbano dos jardins, suportando bandas filarmónicas. Abriram teatros e animatógrafos, com novas formas de entretenimento popular centrado em géneros como o teatro de revista. Contudo, a "velha Lisboa" não desapareceu. A cidade que acordava com os sons dos mercados e dos pregões de vendedores ambulantes e que se deitava já fora de horas nas tabernas da Mouraria continuou a existir. O São Carlos continuou a apresentar óperas e os seus trechos mais famosos circulavam pelos bairros da cidade, através dos homens do realejo. Estas camadas sobrepunham-se entrelaçavam-se e sucediam-se, criando uma banda sonora muito heterogénea da vida quotidiana da cidade.

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

7.ª Conferência por Vítor Oliveira

Deixamos aqui o testemunho fotográfico da interessante conferência "A importância da cartografia histórica para os estudos de forma urbana: os casos de Lisboa e Porto" por Vítor Oliveira que serviu para compreendermos melhor a forma como evoluíram as cidades de Lisboa e Porto à medida que os processos urbanísticos foram avançando.

A próxima conferência será sobre o tema: "O presságio d'alva como que tornou a cidade mais sonora": sons, espaços e vida quotidiana em Lisboa no final da Monarquia Constitucional" e será proferida pelo investigador João Silva (INET-md, FCSH-UNL).








quarta-feira, 4 de outubro de 2017

7.ª Conferência: "A importância da cartografia histórica para os estudos de forma urbana: os casos de Lisboa e Porto" por Vítor Oliveira

Será na próxima quarta-feira, dia 11 de Outubro, pelas 18h, a 7.ª Conferência do nosso Ciclo. Intitula-se "A importância da cartografia histórica para os estudos de forma urbana: os casos de Lisboa e Porto" e será proferida pelo Professor Doutor Vítor Oliveira, do Centro de Investigações do Território, Transportes e Ambiente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (CITTA/FEUP).






terça-feira, 19 de setembro de 2017

Próximas conferências

Relembramos o calendário para as próximas conferências e chamamos a atenção para uma pequena alteração em Outubro: a sessão liderada pelo investigador João Silva passou do dia 25 para o dia 30 de Outubro.
Contamos convosco!


11 de Outubro - Vítor Oliveira (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto), A importância da cartografia histórica para os estudos de forma urbana: os casos de Lisboa e Porto.

30 de Outubro - João Silva (Instituto de Etnomusicologia - Centro de Estudos em Música e Dança (INET-md, FCSH-UNL), "O presságio d'alva como que tornou a cidade mais sonora": sons, espaços e vida quotidiana em Lisboa no final da Monarquia Constitucional.

22 de Novembro - Cecília Vaz (ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, CIES-UL), Novas vivências na cidade? A boémia em Lisboa (1880-1929).

13 de Dezembro - Alice Samara (IHC-FCSH, Universidade NOVA de Lisboa), Lisboa, cidade de resistência.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Alteração no calendário das sessões

Por razões profissionais, o investigador Gonçalo Gonçalves (CIES - Instituto Universitário de Lisboa) não poderá assegurar a próxima sessão agendada para o dia 27 de Setembro, pelo que informamos do seu cancelamento.

Em alternativa, o investigador fará a apresentação da sua conferência Os riscos de ser o cais da europa: Lisboa e as redes internacionais de cooperação policial, c.1890-1940, já no calendário da 2.ª edição do nosso ciclo, no dia 17 de Janeiro de 2018.

Assim, a próxima sessão no nosso calendário passará a ser a do investigador Vítor Oliveira (Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto), A importância da cartografia histórica para os estudos de forma urbana: os casos de Lisboa e Porto, no próximo dia 11 de Outubro, quarta-feira, pelas 18h na sede da UACS.

Instituições Organizadoras

Instituições Organizadoras